quinta-feira, 15 de outubro de 2015

São amor, são revolução, são professores e professoras

Têm professores no Resgate? Questiona Arthur, que logo responde: “São muito mais que professores. São amigos, irmãos e pais também”. Cláudia também os vê como amigos, que sempre a incentivam a não desistir dos seus sonhos. Para a Carla, eles significam a persistência, o respeito por todos, a reciprocidade do afeto que é um impulso para que seja possível permanecer em pé na batalha.

 “Não são apenas profes de profissão, são de alma, de coração, de garra, de amor, de conhecimento, de superação, de motivação, de perseverança. Cada um fazendo acontecer do seu jeito” é o que pensa Pâmela sobre as professoras e professores do Resgate Popular. “Baita trabalho que me incentiva a querer ir além e não desistir por mais difícil que seja a caminhada, me dá a tal famosa força pra continuar. Eu sou eternamente grata por cada um que faz acontecer o Resgatão! Causaram uma verdadeira revolução dentro de nós. Só tenho a agradecer de coração por acreditarem nos nossos sonhos, por nos motivar, nos incentivar, por nos tornar cabeças pensantes e mais ainda por nos fazer ser alguém melhor”, afirma.

Rosana os chama de cultivadores; cultivadores que trabalham duro cada semente esquecida, assim, transformam-nas em árvores de grande valor. Já Willian, para explicar o que os professores e as professoras do Resgate significam, usa a frase de O Pequeno Príncipe: “Os homens cultivam cinco mil rosas num mesmo jardim e não encontram o que procuram. E, no entanto, o que eles buscam poderia ser achado numa só rosa”. E justifica: “Essas nossas rosas que saem de casa, da faculdade ou do trabalho para nos ensinar, elas acreditam em nós! Como todo o guerreiro, uma rosa tem seu cheiro, ela é amor, mas quando preciso, essa mesma rosa, com seu espinho, ela luta, ela revoluciona”.

Talvez as metáforas sejam tão presentes porque, como diz Duan: “qualquer adjetivo é pouco pra essa galera que faz da educação uma questão de coração”. Jeannie fala diretamente para esses professores e professoras “você é meu combustível. Você é minha inspiração. Você é meu fluído de vitória. Você é aquele alguém que me ensinou a ver o mundo diferente”.

A gratidão aos professores e às professoras vem de todos, como diz Luana: “agradecer por terem me ensinado mais do que a língua portuguesa ou matemática ou sociologia, mas por terem me apresentado questões da vida, do mundo e me feito perceber que é muito mais do que o meu mundo. Abriram meus olhos, me aconselharam, sempre pude e sei que sempre vou poder contar com vocês”.

Arthur declara amor eterno aos seus professores e diz: “Hoje eles são meus profes, amanhã serão meus colegas de faculdade”.


Laís Webber | Núcleo de Comunicação

Um comentário: