terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Teatro do Empoderado


O Resgate Popular realizou uma sessão inédita de Teatro Fórum na última quinta-feira, dia 17, no espaço La Integración. A proposta faz parte do método de Teatro do Oprimido, que estimula o público a participar do espetáculo. Para o evento, foram interpretadas duas cenas envolvendo racismo, redução da maioridade penal e desigualdade socioeconômica. A apresentação contou com o planejamento e a atuação de alunas e alunos do Pré-Vestibular, além do apoio do Núcleo de Teatro resgatense.

Idealizado pelo dramaturgo Augusto Boal, o Teatro Fórum busca acabar com a passividade dos espectadores, que passam a assumir o protagonismo do enredo. Na versão apresentada pelo Resgate, as cenas foram repetidas até que o público interviesse na performance opressora dos personagens. A primeira situação tratava da redução da maioridade penal e da institucionalização do racismo nos órgãos públicos. Já na segunda encenação, os temas foram o mito da meritocracia e os obstáculos causados pela marginalização socioeconômica. O desfecho de ambas cenas foi completamente imprevisível.

Antes do encerramento, foi aberto um espaço para discutir os problemas sociais expostos durante a atuação. “A resposta veio no final, onde a gente debateu as cenas, onde eles refletiram sobre os preconceitos que sofrem no dia a dia e onde os professores também pensaram sobre os seus privilégios. Através do teatro e dessa troca, eu posso desconstruir muita coisa dentro de mim e eles podem se empoderar cada vez mais”, comentou a professora Raysa Santos.

A sessão teatral também trouxe um pouco de descontração para os integrantes do curso nesse último mês antes do vestibular. Entre sorrisos e lágrimas, quem estava presente pôde compartilhar pequenos relatos de sua história pessoal e ouvir depoimentos emocionantes das e dos colegas. Ao final do dia, as palavras e sentimentos gravados naquele local converteram-se em mais um combustível para os sonhos resgatenses.

Juan David Rico Ortiz | Núcleo de Comunicação

Nenhum comentário:

Postar um comentário